Notícias

Exportações de calçados chegam a US$ 608 milhões no ano

Embora prejudicadas pela recente valorização do real frente ao dólar, as exportações brasileiras de calçados registraram incremento de 14,7% em valores gerados no comparativo entre janeiro e julho deste ano com o mesmo período de 2016. Nos setes meses foram embarcados 67,4 milhões de pares que geraram US$ 608 milhões. Em volume, o número é 1,3% maior do que o registro do ano passado, o que é explicado pela alta no preço médio do produto verde-amarelo (de quase 12%).
 
O presidente-executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), Heitor Klein, destaca que a valorização do real frente ao dólar tem tornado o preço do calçado brasileiro menos competitivo no exterior. “No Brasil, existe uma situação na qual o câmbio, muitos vezes, acaba sendo compensador para o nosso enorme custo de produção, trazendo algum ganho de competitividade no exterior. Em 2017, estamos convivendo com uma valorização da moeda nacional, o que é sintoma de uma economia mais saudável, mas o problema é que, como seguimos com um custo de produção elevado, terminamos por perder competitividade diante dos nossos competidores internacionais”, explica Klein, ressaltando que o preço médio do calçado brasileiro pulou quase US$ 2 entre 2016 e 2017.
 
Destinos

Nos sete primeiros meses do ano, o principal destino do calçado brasileiro foi os Estados Unidos, para onde foram embarcados 6,2 milhões de pares que geraram US$ 111,64 milhões, quedas de 11% e 7,7%, respectivamente, no comparativo com o mesmo ínterim do ano passado. O segundo destino foi a Argentina, país para onde foram enviados 5,17 milhões de pares por US$ 75,72 milhões, altas de 16,7% e 47,6%, respectivamente, no comparativo com mesmo período de 2016.
 
O terceiro destino das exportações foi o Paraguai, que ultrapassou compradores tradicionais como França e Bolívia. Nos sete meses do ano, os paraguaios importaram 8 milhões de pares por US$ 46,8 milhões.
 
 
Mais de 40% das exportações são gaúchas
 
Entre janeiro e julho, o principal exportador de calçados do Brasil seguiu sendo o Rio Grande do Sul. No período, os gaúchos embarcaram 15,7 milhões de pares que geraram US$ 261 milhões, altas de 2,4% e 10,7%, respectivamente, no comparativo com mesmo período de 2016. Atualmente o Rio Grande do Sul responde por 43% do total gerado com exportações de calçados no Brasil.
 
O segundo maior exportador do período foi o Ceará, que exportou 25,3 milhões de pares que geraram US$ 145,78 milhões, altas de 1,5% e 7,3%, respectivamente, na relação com os sete primeiros meses de 2016.
 
O terceiro exportador do Brasil no período foi São Paulo. Nos sete primeiros meses, os paulistas embarcaram 4,72 milhões de pares por US$ 69,74 milhões, queda de 17% em volume e alta de 11,3% em receita no comparativo com mesmo ínterim de 2016.
 
Importações

A desvalorização da moeda brasileira frente ao dólar também tem surtido efeito nas importações de calçados. Com o calçado estrangeiro mais barato, a entrada de produtos cresceu 5,2% em pares e 1,1% em dólares nos primeiros sete meses – em comparativo a igual período de 2016. Entre janeiro e julho entraram no Brasil 14,76 milhões de pares pelos quais foram pagos US$ 199,5 milhões.
 
No período, as principais origens das importações seguiram sendo os países asiáticos: Vietnã, 6,17 milhões de pares e US$ 109,7 milhões, altas de 4,4% e 1,5%, respectivamente; Indonésia, 2,28 milhões de pares e US$ 38,6 milhões, alta de 0,5% em volume e queda de 5% em receita; e China, 4,44 milhões de pares e US$ 19 milhões, quedas de 4% e 18,2%, respectivamente.
 
Itália
Surpreendeu no ranking de maiores vendedores de calçados para o Brasil a Itália. Com um preço médio elevado, de US$ 128,32 o par importado, o país europeu ultrapassou tradicionais exportadores de calçados para o Brasil, assumindo o quarto posto. Entre janeiro e julho, os italianos exportaram 88,54 mil pares por US$ 11,36 milhões, altas de 16,6% e 23,4%, respectivamente, no comparativo com igual período de 2016.
 
Entre janeiro e julho, em partes de calçados – palmilhas, solas, saltos, cabedais etc – o Brasil importou o equivalente a US$ 23 milhões, 16% menos do que no mesmo período do ano passado. As principais origens foram China, Vietnã e Paraguai.
 
 
Confira as tabelas completas no link https://drive.google.com/file/d/0Bwij5ZDRk_9Rd29INVpaQk44T1U/view